Souza-Schopenhauer-00.jpg

Eduardo Ramos Coimbra de Souza:
Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato

MyeBooks 20180429-1716
Souza-Schopenhauer-ajk.txt (* txt -> HTML)
1,2195,164,fil,por,20180222,20180227,4, Eduardo Ramos Coimbra de Souza: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato
20180222-20180227, 164 pages, 4* SalesInfo o eng

MyeBooks BookMenu

1.YhteenvedotReviewsРезюме
###
2.SisällysluetteloContentsСодержание
(1,2,3,4,5)
3.MuistiinpanotHighlightsПримечания
h
4.SanastoVocabularyСловарь
w
5.KielikuvatIdiomsИдиоми
i
6.HenkilötPersonsЛичности
p
7.AlkumerkitStartmarksНачальные знаки
a
8.KirjanmerkitBookmarksЗакладки
b

Yhteenvedot Reviews Резюме (Code: ###)

Eduardo Ramos Coimbra de Souza: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato

Schopenhauer nutcracked

Eduardo Ramos Coimbra de Souza: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato

Schopenhauer is all over described as the philosopher of pessimism as opposed to all other great philosphers. This is the most intricate proposition about him for me. It is said that he comes to the conclusion that life is not worth living. After having read his main work World as will and presentation (just happened to read it in Italian: Il mondo come volontà e rappresentazione) I got completely hooked, not so much by his philosophy as his colourful text and fierce attack against University Philosophy. In this Brazilian book we meet a somewhat different Schopenhauer. He is scrutinized in a way from outside, not even trying to intrude under the skin of the man but cross-cutting his ideas in a very University manner, diving neatly fo fine details. The main interest of de Souza is on the notion of - do I dare to use the word: knowledge. How knowledge is obtained. There are two main channels to knowledge: intuition or in a way gathering it around, and abstraction or deducing it conceptually. I must confess that I had trouble, difficulties and distraction trying to follow the path of thought in the first part of the book. Certain part of it was caused of unfamiliarity with the language and termonology. But then, in the second part of the book, I felt myself consideralbly more comfortable. Above all could really appreciate the fine and straightforward structuration and handling of the subject in the text. Characteristics of philosophy, mathematics and other sciences are clearly delineated as well as Schopenhauer's attitude towards them. Remarkable is his preference of fine arts above science. Perhaps just here is the nucleus of his pessimism as seen by his fellow men of science. Intuitive arts beating deductive and abstract science.

Clearly seeing the thorough professional approach but being just amateur not being able of completely appreciating it, I dare not give more than four stars as assessment.

Schopenhauer Nussknacker

Eduardo Ramos Coimbra de Souza: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato

Schopenhauer wird als der Philosoph des Pessimismus im Gegensatz zu allen anderen großen Philosophen beschrieben. Dies ist der komplizierteste Vorschlag über ihn für mich. Man sagt, dass er zu dem Schluss kommt, dass das Leben nicht lebenswert ist. Nachdem ich sein Hauptwerk Welt als Wille und Präsentation gelesen hatte (zufällig in italienischer Sprache: Il mondo come volontà e rappresentazione), wurde ich völlig süchtig, nicht so sehr durch seine Philosophie als durch seinen bunten Text und heftigen Angriff gegen die Universitätsphilosophie. In diesem brasilianischen Buch begegnen wir einem etwas anderen Schopenhauer. Er wird von außen genau untersucht, versucht nicht einmal, unter die Haut des Mannes zu dringen, sondern seine Ideen auf eine sehr universelle Art und Weise zu überkreuzen, indem der Verfasser fein säuberlich in Details taucht. Das Hauptinteresse von de Souza liegt auf der Vorstellung von - traue ich mich, das Wort zu benutzen: Wissen. Wie wird Wissen gewonnen? Es gibt zwei Hauptkanäle für das Wissen: Intuition oder, in gewisser Weise, es rund herum zu sammeln und zu abstrahieren oder es konzeptuell abzuleiten. Ich muss gestehen, dass ich im ersten Teil des Buches Schwierigkeiten, Mühe und Ablenkung hatte, um dem Gedankengang zu folgen. Ein gewisser Teil davon wurde verursacht durch Unkenntnis der Sprache und Terminologie. Aber dann fühlte ich mich im zweiten Teil des Buches wesentlich wohler. Vor allem könnte man die feine und geradlinige Strukturierung und Handhabung des Themas im Text wirklich schätzen. Merkmale von Philosophie, Mathematik und anderen Wissenschaften sind klar abgegrenzt, ebenso wie Schopenhauers Haltung ihnen gegenüber. Bemerkenswert ist seine Vorliebe für die schönen Künste über der Wissenschaft. Vielleicht ist gerade hier der Kern seines Pessimismus, wie er von seinen Mitmenschen der Wissenschaft gesehen wird. Intuitive Künste schlagen deduktive und abstrakte Wissenschaft.

Obgleich ich wohl die gründliche professionelle Herangehensweise sehe, aber selbst nur ein Amateur bin, der es nicht vollständig einschätzen kann, darf ich nicht mehr als vier Sterne als Bewertung geben.

Schopenhauer nutcracked

Эдуардо Рамос Коимбра-де-Соуза: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato

Шопенгауэр во всем мире описывается как философ пессимизма, в отличие от всех других великих философов. Это самое сложное предложение о нем для меня. Говорят, что он приходит к выводу, что жизнь не стоит жить. После того, как я прочитал свою основную работу «Мир как воля и презентация» (просто случилось, чтобы прочитать его по-итальянски: «Il mondo come volontà e rappresentazione») Я полностью зацепился, не столько его философией, сколько его красочным текстом и яростной атакой на университетскую философию. В этой бразильской книге мы встречаем несколько разного Шопенгауэра. Его тщательно изучают снаружи, даже не пытаясь вторгаться под кожу человека, но перекрещивая его идеи в очень университетском стиле, аккуратно погружаясь в тонкие детали. Основной интерес de Souza - к понятию - я смею использовать слово: знание. Как знание получается. Существует два основных канала для знания: интуиция или способ ее сбора и абстракции или вывод ее концептуально. Должен признаться, что у меня были проблемы, трудности и отвлечение, пытаясь идти по пути мысли в первой части книги. Определенная его часть была вызвана незнанием языка и терминологии. Но потом во второй части книги я чувствовал себя более комфортно. Прежде всего, можно было бы оценить тонкую и простую структуру и обработку объекта в тексте. Характеристики философии, математики и других наук четко обозначены так же, как отношение Шопенгауэра к ним. Замечательным является его предпочтение изобразительному искусству над наукой. Возможно, именно здесь ядро ​​его пессимизма воспринимается его научными сотрудниками. Интуитивные искусства избивают дедуктивную и абстрактную науку.

Очевидно, что, видя тщательный профессиональный подход, но будучи просто любителем, не способным полностью оценить его, я не осмеливаюсь оценивать более четырех звезд.

Schopenhauer nutcracked

Eduardo Ramos Coimbra de Souza: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato

Schopenhaueria on kaikkialla kuvattu pessimismin filosofiksi, toisin kuin kaikki muut suuret filosofit. Tämä on kaikkein eniten mieltä askarruttava toteamus hänestä minulle. Sanotaan, että hän päättelee, että elämä ei ole elämisen arvoista. Kun olen lukenut hänen pääteoksensa Maailma tahtona ja toteamuksena (satuin lukemaan italiaksi: Il mondo come volontà e rappresentazione) olin täysin koukussa, ei niinkään hänen filosofiaansa kuin värikkääseen tekstiin ja kovaan hyökkäykseen yliopistofilosofiaa vastaan. Tässä brasilialaisessa kirjassa tapaamme hieman erilaisen Schopenhauerin. Häntä tarkastellaan tavalla, joka ei ole edes yrittänyt tunkeutua miehen ihon alle, vaan panna halki, poikki ja pinoon hänen ideoitaan hyvin yliopistollisella tavalla ja sukeltaa siististi tarkkoihin yksityiskohtiin. De Souzan tärkein kohde on käsite - uskallan käyttää sanaa: tieto. Miten tieto saadaan. Tiedolla on kaksi pääasiallista kanavaa: intuitiolla eli tavalla, joka kerää sen ympäristöstä ja abstraktiolla eli johtamalla sitä käsitteellisesti. Minun on tunnustettava, että minulla oli ongelmia, vaikeuksia ja häiriötekijöitä, kun yritin seurata ajatuksen polkua kirjan ensimmäisessä osassa. Tietty osa siitä aiheutui kielen ja termonologian tuntemattomuudesta. Mutta sitten kirjan toisessa osassa tunsin oloni mukavammaksi. Ennen kaikkea osasin todella arvostaa tekstin hienoa ja suoraviivaista jäsentämistä ja käsittelyä. Filosofian, matematiikan ja muiden tieteiden ominaispiirteet on selkeästi hahmotettu, samoin Schopenhauerin suhtautuminen niihin. Huomattava on hänen mieltymyksensä taiteeseen ja sen asettaminen tieteen yläpuolelle. Ehkä juuri tässä on hänen pessimisminsä ydin, kuten hänet hänen tiedemieskolleegansa näkevät. Intuitiiviset taiteet peittoavat deduktiivisen ja abstraktin tieteen.

Selvästi näen perusteellisen ja ammattimaisen lähestymistavan, mutta itse ollen vain amatööri en pysty täysin ymmärtämään sitä enkä uskalla antaa yli neljää tähteä arviointinani.

Pagetop Pagetop Pagetop

Sisällysluettelo Contents Содержание (Code: (1,2,3,4,5))

30001 Introdução
80002 1. O campo e as bases da teoria do conhecimento de Schopenhauer
8000201 1.1. O mundo como vontade ou o mundo como representação
27000202 1.2. Os três elementos fundamentais do conhecimento
38000203 1.3. O princípio de razão suficiente e sua raiz quádrupla
670003 2. O conhecimento intuitivo
67000301 2.1. Sensibilidade e representações intuitivas puras
73000302 2.2. O entendimento e sua única função
86000303 2.3. O entendimento e as representações intuitivas empíricas
990004 3. O conhecimento abstrato
99000401 3.1. A razão e as representações abstratas
123000402 3.2. Conhecimento abstrato e ciência
141000403 3.3. Conhecimento abstrato e as ações humanas
1550005 4. Considerações finais
1610006 Referências bibliográficas
1640007 fin
1640008 ### enderufi
Pagetop

Muistiinpanot Highlights Примечания (Code: h)

1 (3)
O nome do filósofo alemão Arthur Schopenhauer está invariavelmente associado ao pessimismo. À primeira vista, uma referência única e imediata pode parecer algo comum para classificar os pensadores, pois Platão é sempre ligado à sua teoria das Ideias; Aristóteles, à Metafísica; Descartes, ao Cogito Ergo Sum; Leibniz, à Monadologia etc.
2 (4)
Embora o pessimismo esteja presente em toda a sua obra, e não possa ser dela separado, ainda assim o filósofo tem outras ideias a apresentar, como por exemplo sua concepção de conhecimento estético como uma forma mais elevada de conhecimento do que o científico e como calmante para uma vontade sempre insaciável.=
3 (4)
Podemos citar Locke e seu Ensaio sobre o entendimento humano; Berkeley, com a obra Tratado sobre os princípios do conhecimento humano; Hume escreve a Investigação sobre o entendimento humano. Além do trabalho destes filósofos empiristas, temos Leibniz e seus Novos ensaios sobre o entendimento humano e, finalmente, Kant com a Crítica da razão pura.
4 (4)
Schopenhauer: elemento de sua obra: sua concepção metafísica do mundo.
5 (5)
Partindo da obra de Kant, e sua diferenciação entre fenômeno e coisa-em-si, dois ramos de investigação surgem para Schopenhauer. Um campo refere-se à tentativa de explicação para a coisa-em-si, livre de todas as formas fenomênicas do conhecimento.
6 (5)
Mas o autor de O mundo como vontade e como representação tem, além disso tudo, uma teoria própria sobre o conhecimento.
7 (6)
Na sequência, três noções fundamentais foram estabelecidas: sujeito e objeto são termos interdependentes; os objetos devem ser regidos pelo princípio de razão; e a diferenciação entre representações intuitivas e abstratas.
8 (8)
Schopenhauer não esconde sua dívida com o mestre ao afirmar que “O MAIOR MÉRITO DE KANT É A DISTINÇÃO ENTRE FENÔMENO E COISA-EM-SI” (2005, p.526, grifos do autor), ou seja, que entre nós e as coisas do mundo estariam formas a priori do próprio modo de conhecimento do sujeito,
9 (9)
Schopenhauer já conteria implicitamente a principal lição kantiana, a saber, a nítida separação entre fenômeno e coisa-em-si, que em linguagem schopenhaueriana soaria assim: o mundo seria por um lado representação, e por outro, vontade.
10 (14)
Com Abbagnano, é possível identificar que a vontade como coisa-em-si não é só a vontade humana, finita, mas é algo que habita qualquer ser do mundo como sua essência, logo, uma vontade infinita.
11 (14)
Simmel destaca ainda que “Schopenhauer demoliu o dogma de que a razão constitui a mais profunda essência do homem”
12 (16)
por fim, chega-se à vontade como a coisa-em-si, a essência do mundo.
13 (16)
Além do mais, ao que parece o próprio Schopenhauer, em certas passagens, é da opinião de que a vontade constitui
14 (17)
a verdadeira essência do mundo, pois identifica o mundo fenomênico,
15 (17)
Ora, se na sua base, a separação, [...], efetuada por KANT entre fenômeno e coisa-em-si em muito superou em profundidade e clarividência tudo o que já existira, também foi infinitamente rica de consequências
16 (17)
Platão expressa miticamente na passagem mais importante de todas as suas obras [...] o início do sétimo livro da República, quando diz que os homens, firmemente acorrentados numa caverna escura, não viam nem a autêntica luz originária, nem as coisas reais, mas apenas a luz débil do fogo na caverna, e as sombras de coisas reais passando à luz desse fogo atrás de suas costas:
17 (20)
Na sequência, apresentamos a noção de que para Schopenhauer a realidade fenomênica é uma ilusão, e que, portanto, se tem como tarefa filosófica encontrar uma realidade mais profunda e essencial, a resposta para a coisa-em-si kantiana.
18 (22)
Sobre a forma do livro Schopenhauer diz: UM SISTEMA DE PENSAMENTOS tem de possuir uma coesão arquitetônica, ou seja, uma tal em que uma parte sustenta continuamente a outra, e esta, por seu turno, não sustenta aquela;
19 (22)
Ao contrário, UM PENSAMENTO ÚNICO, por mais abrangente que seja, guarda a mais perfeita unidade.
20 (25)
Primeiramente, é exigida a leitura de sua tese de doutorado intitulada Sobre a quádrupla raiz do princípio de razão suficiente – texto em que o filósofo procura demonstrar que o princípio de razão possui quatro figuras distintas que não foram devidamente distinguidas pela tradição filosófica.
21 (26)
dando primazia à vontade como a coisa-em-si, a essência que subjaz a toda à realidade empírica, ou seja, à representação. Os pensadores citados anteriormente nos mostram, a partir de um olhar retrospectivo, de quem vê e compreende o passado sabendo o que já ocorreu, que a metafísica da vontade é o aspecto mais inovador e que mereceu maior atenção do pensamento schopenhaueriano.
22 (33)
formas essenciais e universais de todo o objeto – tempo, espaço e causalidade
23 (36)
Vemos nesta passagem que Kant trata corretamente, segundo Schopenhauer, as formas puras da intuição, espaço e tempo,
24 (37)
Kant nunca chegou a distinguir claramente o conhecimento intuitivo do conhecimento abstrato. (Schopenhauer, 2005, p.542)
25 (37)
a teoria do conhecimento de Schopenhauer contida no Livro I de O mundo como vontade e como representação tem alguns princípios básicos. Primeiramente, a separação entre sujeito e objeto, não tendo existência separada e independentementeestes dois termos; em seguida, que a forma de todo o objeto é determinada pelo princípio de razão em alguma de suas quatro figuras, sendo que o referido princípio só possui validade com relação aos objetos; e, por fim, a diferenciação entre representações intuitivas e abstratas, e que trará como consequência faculdades específicas de conhecimento para cada classe de representação.
26 (41)
Essas duas leis a que todo o nosso conhecimento deve estar de acordo são, assim, profiláticas e, ao mesmo tempo, necessárias a qualquer conhecimento seguro, preciso e rigoroso.
27 (48)
Esta é a cadeia de causalidade: cadeia que necessariamente carece de um começo.= Tämä on syy-yhteysketju: ketju, jolla ei välttämättä ole alkua.
28 (50)
Os conceitos dão aos humanos uma forma totalmente nova de conhecer o mundo, completamente diferente da forma intuitiva, e, por conseguinte, transformam a vida humana de uma maneira tão radical em comparação à do animal.
29 (52)
Os conceitos dão aos humanos uma forma totalmente nova de conhecer o mundo, completamente diferente da forma intuitiva, e, por conseguinte, transformam a vida humana de uma maneira tão radical em comparação à do animal. = a. 2-) Em um sujeito não poderá, ao mesmo tempo, ser afirmado ou negado um predicado, ou a = -a = 0. 3-) De dois predicados opostos contraditoriamente, um deles deve aderir ao sujeito. 4) A verdade é a relação de um juízo com algo fora dele, que é sua razão suficiente. (Schopenhauer, 1977, §33, p.125, tradução nossa)=Käsitteet antavat ihmisille aivan uuden tavan tuntea maailma, täysin erilainen kuin intuitiivinen tapa ja muuttaa siten ihmiselämää niin radikaalisti kuin eläimen tapaan. = a. 2) Kohtaa ei voida samanaikaisesti vahvistaa tai evätä predikaatti, tai a = -a = 0. 3-) Kaksi vastakkaisesti vastakkaista predikaattia on noudatettava kohdetta. 4) Totuus on tuomion suhde johonkin sen ulkopuolelle, mikä on sen riittävä syy. (Schopenhauer, 1977, §33, s.125, käännös)=Концепции дают людям совершенно новый способ познания мира, совершенно отличный от интуитивного пути, и, следовательно, превращают человеческую жизнь так радикально, как животное. = a. 2) В субъекте нельзя одновременно подтвердить или опровергнуть предикат, или a = -a = 0. 3-) Из двух противоположно противоположных предикатов следует придерживаться субъекта. 4) Истина - это отношение суждения к чему-то вне его, что является его достаточной причиной. (Schopenhauer, 1977, §33, с.125, наш перевод)=Concepts give humans a whole new way of knowing the world, completely different from the intuitive way, and therefore transform human life in a way so radical compared to that of the animal. = a. 2) In a subject can not at the same time be affirmed or denied a predicate, or a = -a = 0. 3-) Of two oppositely opposed predicates, one must adhere to the subject. 4) Truth is the relation of a judgment to something outside of it, which is its sufficient reason. (Schopenhauer, 1977, §33, p.125, our translation)
30 (58)
Logo, princípio de razão é um dos elementos fundamentais para compreender sua teoria do conhecimento.
31 (58)
Logo, princípio de razão é um dos elementos fundamentais para compreender sua teoria do conhecimento.
32 (59)
O terceiro livro trata do conhecimento estético, que tem por objeto a Ideia, ou seja, a representação independente do princípio de razão, e que é responsabilidade das artes revelá-lo.
33 (63)
“Nichts ist ohne Grund warum es sei.”
34 (63)
Warum sind in diesem Triangel die drei Seiten gleich? So ist die Antwort: weil die drei Winkel gleich sind. Ist nun die Gleichheit der Winkel Ursache der Gleichheit der Seiten? Nein, denn hier ist von keiner Veränderung, also keiner Wirkung, die eine Ursache haben müßte, die Rede.
35 (63)
Ist sie bloß Erkenntnißgrund? Nein, denn die Gleichheit der Winkel ist nicht bloß Beweis der Gleichheit der Seiten, nicht bloß Grund eines Urtheils: aus bloßen Begriffen ist ja nimmermehr einzusehn, daß, weil die Winkel gleich sind, auch die Seiten gleich seyn müssen: denn im Begriff von Gleichheit der Winkel liegt nicht der von Gleichheit der Seiten.
36 (64)
“Daher steht das Gesetz der Kausalität in ausschliesslicher Beziehung auf Veränderungen und hat es stets nur mit diesem zu thun. Jeder Wirkung ist, bei ihrem Eintritt, eine Veränderung und giebt, eben weil sie nicht schon früher eingetreten, unfehlbare Anweisung auf eine andere, ihr vorhergegangene Veränderung, welche, in Beziehung auf sie, Ursache, in Beziehung auf eine dritte, ihr selbst wieder nothwendig vorhergegangene Veränderung aber Wirkung heißt.
37 (66)
“1) Ein Subjekt ist gleich der Summe seiner Prädikate, oder a = a. 2) Einem Subjekt kann ein Prädikate nicht zugleich beigelegt und abgesprochen werden, oder a = -a = 0. 3) Von jeden zwei kontradiktorisch entgegengesetzten Prädikaten muß jedem Subjekt eines zukommen. 4) Die Wahrheit ist die Beziehung eines Urtheils auf etwas außer ihm, als seinen zureichenden Grund.”
38 (66)
Im Raum heißt dies Verhältniß Lage, in der Zeit Folge.”
39 (67)
É impossível, portanto, haver sujeito sem objeto ou, ao contrário, objeto sem sujeito.
40 (67)
Desta noção básica decorre que o fenômeno, o objeto que se apresenta para ser conhecido, não possui existência absoluta, mas somente relativa, donde surge a conclusão schopenhaueriana de que o mundo da representação é mera aparência.
41 (67)
objeto, como entendido na tese de doutorado de autor, divide-se em quatro classes, cada uma tendo de ser regida obrigatoriamente por uma das figuras do princípio de razão.
42 (86)
O entendimento é, assim, uma faculdade de conhecimento intuitivo, pois se liga imediatamente aos objetos reais, às representações intuitivas empíricas, pois as apreende direta e imediatamente como causas das sensações ou das mudanças ocorridas entre os objetos empíricos.
43 (86)
Ademais, não é uma faculdade de pensar os objetos, como o queria Kant, pois o pensamento sempre será abstrato, geral e mediato, obra de outra capacidade cognitiva. Por fim, o entendimento não é propriedade exclusiva dos seres humanos e qualquer ser vivo que conheça objetos do mundo efetivo terá entendimento, mesmo que nas suas mais diferentes manifestações, porque toda intuição empírica é obra exclusiva desta faculdade.
44 (88)
Para Schopenhauer a causalidade é a relação temporal e espacial de dois estados, na qual um transformando-se sob a operação de outro, será chamado de efeito. (Philonenko, 1989, p.104-5, grifo do autor, tradução nossa)
45 (91)
Neste trecho fica claro que órgãos como olho, ouvido e mão fornecem meros dados sensoriais para, a partir destes, o entendimento ter a oportunidade de aplicar a lei de causalidade e produzir a intuição empírica, o que oferece margem para a afirmação sempre constante de que o mundo, a realidade fenomênica, ao depender deste processo para aparecer ao sujeito não passa de uma simples representação deste, destacando seu caráter de mera aparência.
46 (99)
A razão, portanto, é a capacidade cognitiva responsável pelo conhecimento abstrato, as representações abstratas, os conceitos.
47 (104)
Ou seja, o modo de conhecimento racional oferece ao homem um distanciamento e uma descentralização com relação ao imediatamente dado na percepção, colocando-o em uma situação de poder visualizar o todo de sua vida e do mundo, tanto no tempo quanto no espaço.
48 (105)
A fala, como objeto da experiência externa, manifestamente não é outra coisa senão um telégrafo bastante aperfeiçoado que comunica sinais arbitrários com grande rapidez e nuances sutis. Que significam, porém, semelhantes sinais? Como são interpretados? Por acaso quando alguém fala, traduzimos o seu discurso instantaneamente em imagens da fantasia, que voam e se movimentam diante de nós com rapidez relâmpago, encadeadas, transformadas e matizadas de acordo com a torrente de palavras e suas flexões gramaticais? Que tumulto, então, não ocorreria em nossa cabeça durante a audição de um discurso ou a leitura de um livro! Mas de modo algum se passa dessa forma. O sentido do discurso é imediatamente intelectualizado, concebido e determinado de maneira precisa, sem que, via de regra, fantasmas se imiscuam. É a razão que fala para a razão, sem sair do seu domínio, e o que ela comunica e recebe são conceitos abstratos, representações não intuitivas, as quais, apesar de formadas uma vez para sempre e em número relativamente pequeno, abarcam, compreendem e representam todos os intocáveis objetos do mundo efetivo. (Schopenhauer, 2005, p.86-87)
49 (107)
proposição de abertura de O mundo como vontade e como representação com seu pronome possessivo: “O mundo é minha representação” (Schopenhauer, 2005, p.43).
50 (110)
representação abstrata e de sua faculdade de conhecimento, a razão, com uma metáfora sobre a luz própria do sol e a emprestada pela lua.
51 (111)
representação abstrata e de sua faculdade de conhecimento, a razão, com uma metáfora sobre a luz própria do sol e a emprestada pela lua.
52 (112)
“os conceitos podem ser denominados de maneira bastante apropriada representações de representações” (Schopenhauer,
53 (112)
logo, “o mundo todo da reflexão estriba sobre o mundo intuitivo como seu fundamento de conhecer” (Schopenhauer, 2005, p.88). Novamente é a luz própria do conhecimento intuitivo que ilumina o abstrato.
54 (115)
seria preciso observar inúmeros objetos singulares para, a partir deles, separar, abstrair, uma propriedade comum a todos e formar um conceito genérico que os contivesse todos. A título de exemplo: seria preciso observar individualmente Parmênides, Heráclito, Sócrates, Platão, Aristóteles, Crisipo para, por meio do isolamento de suas propriedades e comparando-as, descobrir uma propriedade comum a todos, no caso filosófica.
55 (125)
ciência seria um conhecimento total in abstracto sobre uma classe de objetos.
56 (126)
Essa estruturação do saber é o que garantirá a forma diferenciada do conhecimento científico em comparação com a do senso comum.
57 (126)
Tal caminho cognitivo do universal para o particular distingue-a do saber comum; conseguintemente, a forma sistemática é uma marca característica, essencial da ciência.
58 (126)
Seu sistema de conhecimentos se dá por meio da organização em uma estrutura onde cada parte, isto é, cada conceito, tem sua posição bem determinada em vista do todo.
59 (135)
intuição que funda a matemática possui uma grande vantagem sobre as outras – e, portanto, sobre a empírica –, a saber, o fato de ser a priori, logo, independente da experiência, que sempre só pode ser dada de maneira parcial e sucessiva.
60 (138)
estas são conhecimento sistemático, portanto, científico, mas jamais alcançarão uma certeza completa, mas apenas relativa.
61 (138)
algo que está sempre em mudança, a intuição empírica.
62 (140)
A FILOSOFIA tem como peculiaridade o fato de nada nela ser tomado como pressuposto, mas tudo lhe é em igual medida estranho e problemático,
63 (141)
A FILOSOFIA tem como peculiaridade o fato de nada nela ser tomado como pressuposto, mas tudo lhe é em igual medida estranho e problemático,
64 (143)
Schopenhauer procurará apresentar a razão como condutora da ação humana, mas jamais como fonte do valor moral da ação.
65 (149)
O sábio estoico só poderia estar certo em sua orientação para uma vida plenamente guiada pela razão caso o homem fosse unicamente racional, mas como vimos uma parte substancial do conhecimento humano é intuitivo, portanto, não racional.
66 (150)
ações humanas são regidas pelo princípio de razão do agir, isto é, tudo o que o homem faz é determinado por motivos.
67 (151)
Todavia, essa capacidade de agir determinado por princípios e planos abstratos não é, de forma alguma, sinônimo de ação moral e virtuosa, pois é possível usar a racionalidade para planejar agir racional e maldosamente. Logo, quando o ser humano age guiado exclusivamente pelo conhecimento do mundo como representação não adentrou ainda à possibilidade plena da virtude.
68 (154)
Nesses experimentos controlados em laboratório, o cientista parte da suposição de que uma causa sempre produzirá um efeito,
69 (155)
ETIOLOGIA. A primeira considera as formas permanentes; a segunda, a matéria que muda segundo a lei de sua transição de uma forma a outra”
70 (158)
Ao conhecimento abstrato liga-se exclusivamente a razão.
71 (158)
pois uma representação abstrata procede sempre de outra, que pode ser abstrata, mas não ao infinito, uma vez que deve encerrar-se em uma intuitiva.
72 (159)
Quando se trata do mundo como representação, seus aspectos são compreendidos pelos dois modos de conhecimento: o intuitivo ou o abstrato,
73 (159)
Ademais, podemos inferir que Schopenhauer atribui sentidos claros para as faculdades do entendimento e da razão.
74 (160)
Sua maneira de conhecer é responsável por produzir a ciência, conhecimento abstrato organizado sistematicamente e que acaba por ser exclusivamente uma facilitação para o conhecimento Sua maneira de conhecer é responsável por produzir a ciência, conhecimento abstrato organizado sistematicamente e que acaba por ser exclusivamente uma facilitação para o conhecimento e a vida humanos.
75 (160)
Os motivos são os objetos dados pelo conhecimento para guiar o agir do sujeito, e que no caso dos humanos podem ser empíricos, representações do entendimento, e abstratos, representações da razão.
76 (160)
Logo, o ser humano, quando tem uma compreensão global do mundo ou da vida, pode planejar sua ação racionalmente em acordo com este conhecimento abstrato.
Pagetop

Sanasto Vocabulary Словарь (Code: w)

1 destaque (12)
Kiinnostavat
2 númeno (13)
3 onírico. (17)
unelma.
4 grifos (22)
aarnikotkat
5 onírico (26)
unelma.
6 conhecimento (27)
tuntemus
7 grifos (28)
aarnikotkat
8 trecho inicial (30)
ensimmäinen venytys
9 assombroso (39)
hämmästyttävä
10 vislumbre (77)
vilaus
11 misólogo (102)
12 pautar (129)
hallita
13 tripulação, (145)
miehistö
14 paixões. (147)
intohimoja.
Pagetop

Kielikuvat Idioms Идиоми (Code: i)

1 espaço e tempo (32)
2 mestre de Königsberg (81)
3 intuição do mundo efetivo (90)
vaikuttavan maailman intuitio.
4 A tábua dos juízos, (117)
Tuomioiden taulukko,
5 fenômeno e coisa-em-si (148)
6 sentimento de volúpia, (149)
tunne himo,
Pagetop

Henkilöt Persons Личности (Code: p)

1 Locke=A posição do filósof (106)
A posição do filósofo alemão assemelha-se, em certo sentido, à de Locke.

Kirjanmerkit Bookmarks Закладки (Code: b)

120180222+8p=8p5%**
220180223+19p=27p16%********
320180224+11p=38p23%************
420180221+29p=67p41%********************
520180225+6p=73p45%**********************
620180226+13p=86p52%**************************
720180227+78p=164p100%**************************************************
Pagetop

Souza-Schopenhauer-ajk.txt o MyeBooks o 20180222-20180227, 164 pages, 4* SalesInfo o eng

Asko Korpela 20180429 (20110710) o Ajk homepage o WebMaster
AA o BB o CC o DD o EE o FF